AUTÁRQUICAS 2021: Carlos Miranda é o novo presidente da Câmara da Sertã

PS venceu com 47,66 % dos votos. PSD obteve 42,81%. Notícia atualizada esta manhã de 27 de setembro.

AUTÁRQUICAS 2021: Carlos Miranda é o novo presidente da Câmara da Sertã

Os destinos do concelho da Sertã vão passar a ser governados pelo Partido Socialista (PS). Após 12 anos de governação PSD, Carlos Miranda conseguiu um resultado que lhe permite implementar as ideias que defendeu para este concelho. Nas primeiras palavras que proferiu à Rádio Condestável, destacou a “elevada participação eleitoral e o civismo" com que a mesma decorreu. Deixou uma palavra para os restantes candidatos e relembrou que esta foi “uma campanha de ideias, que dignificou e fortaleceu a Sertã”, um concelho que, como foi percebendo, “depois desta campanha (PS), nunca mais ia ser o mesmo”. Carlos Miranda recordou aspetos como “a mobilização, o entusiamo, a esperança que trouxemos para as pessoas”, as quais foi percebendo que estavam “desmoralizadas” e desacreditadas de que algo iria mudar, sublinhou.
Feliz por ter vencido, sente que agora “a responsabilidade que tenho sobre os meus ombros é ainda maior porque sei que criámos uma elevada expectativa e agora temos que dar corpo a esta esperança e vamos começar o processo de construir um futuro melhor para o concelho da Sertã”.
O partido está a fazer a festa mas “amanhã é dia de trabalho e assim que eu tomar posse serei o presidente de todos os sertaginenses, independentemente da sua cor política”, disse, garantindo que “vamos fazer da Sertã um lugar melhor para viver”.
Nos resultados deste concelho destacou-se o da União de Freguesias de Cernache do Bonjardim, Nesperal e Palhais (UGCBNP) onde o PS venceu com grande margem. “É muito importante para nós” e o facto desta e da junta do Cabeçudo passarem a ser dirigidas por mulheres muito jovens “também marca uma viragem na atitude dos eleitores no nosso concelho. É uma nova energia que é fundamental para a Sertã”, reforçou. Atendendo à sua ligação à UFCBNP confessou que o resultado “sensibiliza-me muito”. A estas duas freguesias juntam-se as vitórias socialistas na Várzea dos Cavaleiros e em Pedrógão Pequeno, habitualmente do PS, e ainda o Carvalhal. “Foi um bom resultado por todo o concelho”, finalizou.

Reações dos restantes candidatos

- O PSD foi o grande derrotado nestas eleições no concelho da Sertã. Paulo Farinha Luís, confessou que “não estávamos a contar (com este resultado)”, e avançando que “contávamos ter maioria na câmara e na assembleia municipal e ter a maioria das juntas (ficou 5/5)”.
Assumindo-se como o rosto da derrota “com todas as consequências que isso trará”, Paulo Farinha Luís deu os parabéns aos vencedores e “espero que concretizem o seu projeto e que façam com que o concelho continue na senda do desenvolvimento dos últimos 12 anos”, disse.
Sobre o que eventualmente terá falhado, o social-democrata considera que “fiquei com o ónus daquilo que ia sendo menos bem decidido”.

- O partido Chega conseguiu eleger um deputado na Assembleia Municipal (AM) e um elemento para a Junta de Freguesia da Sertã e essa foi a grande vitória de um partido “que nunca concorreu a umas autárquicas”. Para o candidato Marco Santos “é um bom resultado. Vamos fazer a diferença”, disse, explicando que o PS e o PSD empataram na AM e o Chega “poderá desempatar. É excelente”. “O que for bom para o concelho e para os munícipes o partido Chega apoiará”.
O facto do Chega ter conseguido mais votos que a CDU e o Bloco de Esquerda juntos deixou Marco Santos, candidato à câmara, ainda mais satisfeito. “Cumprimos uma parte da nossa missão que era ter mais votos que os ditos partidos de esquerda”, disse, garantindo que “daqui a quatro anos estaremos cá a lutar para ter um melhor resultado”.

 - A CDU “gostaria que o resultado fosse outro”, confirmou Ema Gomes, a candidata à câmara. Igualmente em declarações à Rádio Condestável disse que “termos eleitos era o nosso objetivo, no entanto continuaremos a trabalhar assim como temos feito ao longo dos últimos anos. Continuaremos a trabalhar em prol das populações e corresponder as nossas ações políticas ao que nos é solicitado”. Estaremos cá amanhã para ouvir quem quiser falar connosco e para trabalhar, independentemente de não ter eleitos no concelho”, garantiu.
Para Ema Gomes, nestas eleições o partido ressentiu-se de alguns problemas pessoais relacionados com alguns candidatos e por isso “foi difícil fazer chegar às pessoas o que tem sido feito”, justificou.

Atualização dia 27 de setembro: Contactado ontem, dia 26 de setembro, para obter uma reação, António Coelho, do Bloco de Esquerda (BE) disse que, “para já não quer reagir”. Esta manhã de dia 27 de setembro, António Coelho era um homem triste e insatisfeito pois "estava à espera de um bom resultado", ou seja, "ter um lugar na câmara como vereador". Disse que "não contava esta reação de desconfiança das pessoas", pois "eu queria fazer algo pelo concelho". O candidato agradeceu ainda a todos aqueles "que votaram em mim". De referir que o BE conquistou um lugar na freguesia do Carvalhal.

Artigos Relacionados

Partilhar: