BEIRA BAIXA: CIMBB apoia na destruição de ninhos de vespa asiática

Comunidade distribuiu equipamentos para destruição de ninhos aos municípios da Beira Baixa.

BEIRA BAIXA: CIMBB apoia na destruição de ninhos de vespa asiática

No âmbito do projeto “Beira Baixa – previne e combate”, a Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB) entregou, no passado dia 24 de maio, equipamentos para destruição de ninhos de vespa-asiática (vespa velutina). Os kits, que incluem equipamento de proteção individual para os operadores, foram distribuídos aos Gabinetes de Proteção Civil dos seis municípios que integram esta CIM, “dotando as equipas municipais de ferramentas específicas para a monitorização, combate e inativação de ninhos daquela espécie exótica e invasora”, esclarece a comunidade em nota enviada à comunicação social.
O projeto Beira Baixa – Previne e Combate, aprovado e financiado pelo POSEUR - Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, aprovado em final de 2021, tem por objetivo “prevenir a disseminação da vespa-asiática através da destruição e controlo de ninhos, visando a erradicação da espécie e a invasão de novas áreas. A destruição de ninhos permitirá diminuir a pressão sobre o estado de conservação de espécies e habitats naturais da região, assim como mitigar o impacto económico sobre a atividade apícola, que é muito representativa na Beira Baixa”.
A aquisição dos equipamentos específicos, varas extensíveis (25 m) em carbono e alumínio, e equipamentos de proteção individual, permite capacitar as equipas municipais para a inativação de ninhos de vespa-asiática no território, assegurando autonomia às intervenções municipais no combate à esta espécie, explica a CIM na nota enviada.
Este investimento, acredita a CIMBB, “contribuirá para a melhor gestão da invasão daquele agente biótico na região, a médio e longo prazos e de forma sustentável, com intervenções orientadas para o controlo, prevenção e deteção precoce de focos de dispersão, visando a segurança dos cidadãos, a proteção da atividade agrícola e do efetivo apícola, bem como a minimização dos impactos sobre a biodiversidade”.

Partilhar: