Câmara faz novo ponto de situação no concelho

O concelho de Proença-a-Nova regista, ao dia 27 de novembro, e de acordo com a câmara municipal, 23 casos ativos com Covid-19 (dos quais 1 é importado) e 78 recuperados.

Câmara faz novo ponto de situação no concelho

Para João Lobo, presidente da câmara, a diminuição do número de casos positivos no concelho “reflete o comportamento responsável de cada um de nós numa altura em que está em causa a saúde pública”. O autarca reforça o esforço que tem de ser realizado “até que a ameaça, que nos acompanhará durante 2021, seja definitivamente eliminada”. “Nunca o coletivo dependeu tanto do individual: que nos lembremos sempre do nosso papel como agentes de saúde pública”, apela ainda o edil.

Está em vigor o Estado de Emergência em todo o território nacional e por isso a autarquia relembra que os cidadãos não podem circular para fora do concelho do domicílio até às 05:00 do dia 2 de dezembro e entre as 23:00 do dia 4 desse mês e as 23:59 do dia 8 seguinte, salvo por motivos de saúde ou por outros motivos de urgência imperiosa.

Proença-a-Nova encontra-se no patamar de Risco Muito Elevado (rácio de 480 a 960 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias), de acordo com o definido no Decreto n.º 8/2020, que regulamenta a aplicação do estado de emergência decretado pelo Presidente da República. Por esse motivo, mantém-se a proibição de circulação na via pública entre as 23:00 e as 05:00, assim como a proibição de circulação na via pública aos sábados e domingos entre as 13:00 e as 05:00. Além das medidas em vigor desde 9 de novembro, como o encerramento do comércio aos fins-de-semana a partir das 13:00 e abertura a partir das 08:00 (com as exceções já conhecidas), foi decretada a proibição de circulação na via pública nos feriados de 1 e 8 de dezembro entre as 13:00 e as 05:00 e nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro os estabelecimentos comerciais encerram às 15:00.

De referir que na página da internet covid19estamoson.gov.pt estão divulgadas todas as informações referentes às medidas aprovadas pelo Governo.
Nestes tempos de incerteza, o comportamento individual é a única variável que podemos controlar: depende de cada um de nós evitar ajuntamentos com mais de cinco pessoas, manter o distanciamento social superior a metro e meio, desinfetar ou lavar frequentemente as mãos, usar máscara, vigiar o nosso estado de saúde e, acima de tudo, perceber onde é que temos mesmo que estar. Estamos a aprender a viver uma realidade nova que coloca o acento tónico na responsabilidade individual para proteção do coletivo, ainda por cima num concelho com as características demográficas como o nosso, em que grande parte da população está no grupo de risco”

Partilhar: