CASTELO BRANCO: IPCB integra projeto para valorização da fileira florestal

Integra F4F – Forest For Future.

CASTELO BRANCO: IPCB integra projeto para valorização da fileira florestal

O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) integra o consórcio do projeto “F4F – Forest For Future”, que tem como promotor líder o SerQ – Centro de Inovação e Competências da Floresta, na Sertã, e é composto por entidades de investigação científica e de desenvolvimento tecnológico (universidades, politécnicos, laboratórios do estado e unidades de investigação), em cooperação com agentes de interface (associações, centros tecnológicos, autoridades públicas, empresas e representantes da sociedade).
Como recorda o IPCB em nota enviada à comunicação social, o “F4F – Forest For Future” visa a valorização da fileira florestal da região Centro e tem por principal objetivo a demonstração e a transferência de tecnologia e soluções que permitam melhorar o valor acrescentado no setor florestal, com particular enfase na cadeia do pinho. Abrange as várias fases da cadeia, desde as plantas até aos produtos finais, baseando-se em quatro pilares fundamentais: “Plantas e Viveiros”, “Gestão Florestal”, “Indústria” e “Floresta multiusos”.
A iniciativa envolve um orçamento global de 3.498.489,97€, comparticipados pelo Fundo Social Europeu no montante de 2.973.716,47€, e prevê a execução de 23 atividades, nomeadamente ações de divulgação, seleção e multiplicação de plantas, avaliação e melhoria da qualidade, produção em massa, mapeamento e avaliação dos serviços de ecossistema florestais, avaliação do potencial produtivo dos espaços florestais, controlo de plantas invasoras, qualificação, certificação e promoção de produtos, valorização de espécies autóctones, produtos endógenos e valorização de material vegetal para farmacêutica/ cosmética. Estão também contempladas ações de valorização das fileiras do medronheiro, da pinha, do pinhão e da resina da região centro.
A participação do IPCB no projeto envolve oito colaboradores/ investigadores, nas áreas de biotecnologia e plantas, gestão florestal, gestão e ciências da comunicação e o desenvolvimento de atividades de produção em massa de plantas, desenvolvimento de novos poliésteres e poliamidas biodegradáveis de base colofónia com elevado desempenho utilizando apenas monómeros de fonte renovável, coordenação, gestão, divulgação e disseminação, lê-se na mesma nota.

Partilhar: