CERNACHE DO BONJARDIM: Redução de receitas não impede projeto de remodelação

Bombeiros apresentaram contas em Assembleia Geral pouco participada.

CERNACHE DO BONJARDIM: Redução de receitas não impede projeto de remodelação

A situação de pandemia da Covid-19 que o país e o mundo atravessam está a refletir-se nas contas da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Cernache do Bonjardim (AHBVCB). As contas apresentadas este sábado, dia 17 de abril, em Assembleia Geral (AG) e mostram um decréscimo no resultado final que supera os 50 600,00 euros.
Fernando Farinha, presidente da associação reconheceu que “todos estávamos à espera que houvesse uma redução de serviço e de faturação”. Aproveitou para referir que, apesar da redução, ela poderia ser pior. O esforço por manter o equilíbrio deve-se “a todos quantos trabalham nesta casa, que se dedicam, sejam remunerados ou não”, disse Fernando Farinha que deu ainda conta que o projeto das obras de remodelação do quartel, que contou com o apoio do Município sertaginense, está em bom andamento e “esperamos que, dentro de pouco tempo, esteja concluído”, disse. As obras virão a seu tempo, adiantou, ciente de que “são de grande necessidade e urgência para o bem-estar de todo o corpo ativo”. Irão englobar as áreas desde o rés do chão ao primeiro piso, sempre a pensar na “rapidez de chegada ao sinistro ou o conforto dos operacionais”, entre outros aspetos, reforçou.
Os documentos referentes às contas de 2020 foram aprovados por maioria, com uma abstenção. Ficaram os reparos feitos, por parte do Conselho Fiscal, por causa da dificuldade de acesso aos documentos contabilísticos. Fernando Farinha garantiu que a situação está a ser tratada, e poderá passar pela substituição de algum programa, ou de contabilidade ou de faturação “para uma melhor forma de apresentar as contas”, explicou.
Esta foi uma AG muito pouco participada por parte dos sócios e por isso o presidente daquele órgão pediu para que se começasse a fazer uma reflexão para tentar aproximar os sócios. É preciso mais do que terem descontos nos transportes de ambulância, explicou.

Partilhar: