FIGUEIRÓ DOS VINHOS: Bombeiros assinalam 86 anos de vida

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos (AHBVFV) comemorou este domingo, 23 de maio, 86 anos de vida, mesmo com todas as restrições associadas à pandemia.

FIGUEIRÓ DOS VINHOS: Bombeiros assinalam 86 anos de vida

Neste aniversário celebrou-se o passado ao mesmo tempo que se relançou o presente e o futuro. Passaram assim à categoria de bombeiros de 3ª, nove elementos que, ao fim de vários meses de formação, estão agora oficialmente integrados na corporação. Foram ainda promovidos a sub-chefes e chefes vários bombeiros, entregues medalhas de assiduidade e um crachá de ouro pela Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) ao bombeiro Luís Lopes pelos 35 anos de dedicação à instituição.
Os tempos de pandemia afetaram muitas áreas da sociedade e os bombeiros não escaparam aos efeitos nefastos causados por estes tempos. Se por um lado as despesas aumentaram, as receitas diminuíram, facto que agravou as contas da associação. Tal deveu-se, como explicou o presidente da direção Carlos Quintas, “à diminuição de transporte de doentes e à não realização de atividades desportivas e culturais”.

Dirigindo-se ao presidente da LBP, queixou-se que há serviços por pagar, por parte de entidades públicas, há oito meses, quando a lei estabelece um prazo de 45 dias para o efeito. Outra das reivindicações deixadas relaciona-se com o valor pago pelo Serviço Nacional de Saúde para o transporte de doentes não urgentes, o qual não é revisto desde 2012, e em nove anos, os custos relacionados com esta prestação de serviços são muitos, ou seja “salários, manutenção de viaturas, combustíveis, seguros e outros indiretos”, enumerou o presidente, pedindo “aos bombeiros para pressionarem quem de direito para rever esta situação”. Carlos Quintas não esqueceu o município que tem respondido sempre presente quando solicitado, nomeadamente com um subsídio extra, concedido no ano passado, para fazer face à redução de receita e à manutenção de despesas.
A propósito da Lei do Financiamento e das queixas deixadas pelo presidente dos bombeiros figueiroenses, José Roqueijo, secretário do Conselho Executivo da LBP, criticou o Governo pois criou uma lei e não a cumpre. “O pagamento do transporte de doentes não devia ultrapassar os 45 dias e o Estado não cumpre”, apontou. Quanto ao INEM, o protocolo está a ser revisto, acrescentou.
Por seu lado, o presidente da Federação dos Bombeiros de Leiria, Comandante Almeida Lopes, lembrou que a maior força de proteção civil do país continua a ser maltratada por quem de direito, facto que não impede os bombeiros de continuarem a exercer a sua missão, realçou o responsável, sublinhando que em tempos difíceis, é aos bombeiros que todos se socorrem. O responsável recordou tempos em que os bombeiros foram arredados das brigadas helitransportadas, mas “agora lembraram-se que era preciso colocar pessoas nas pistas para salvaguardar acidentes que possam acontecer”. “Os mesmos indivíduos que nos maltrataram vieram exigir que os corpos de bombeiros coloquem lá elementos”, apontou.
Nos últimos anos o esforço da câmara de Figueiró em apoiar esta instituição foi reconhecido por todos os intervenientes, facto que deixou Jorge Abreu, presidente da câmara municipal satisfeito, muito pela implementação do Regulamento Municipal que “contempla um conjunto de benefícios aos bombeiros e que está já a dar frutos, com 33 bombeiros e famílias a beneficiar do mesmo”, informou, garantindo que este regulamento não é “estanque e estamos cá para o melhorar e aperfeiçoar”, disse, prometendo “continuar a colaborar com todos vós”. Nesta cerimónia foram ainda homenageados todos os bombeiros da corporação com um louvor público apresentado pelo comandante Jorge Martins e que vai passar a constar do cadastro pessoal no Recenseamento Nacional dos Bombeiros Portugueses. Foi ainda entregue à corporação a viatura oferecida pela empresa Mitsubishi Fuso Truck Europe em 2017, já devidamente preparada para combate a incêndios urbanos e apresentados um veículo de combate a incêndios rurais, uma ambulância e uma viatura ligeira de transporte de doentes não urgentes.

Partilhar: