FIGUEIRÓ DOS VINHOS: Importância da formação profissional em destaque

No dia do Feriado Municipal do concelho.

FIGUEIRÓ DOS VINHOS: Importância da formação profissional em destaque

Assinalou-se ontem, 24 de junho, em Figueiró dos Vinhos, o Feriado Municipal que contou com a habitual sessão solene da Assembleia Municipal, este ano presidida pela Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No dia em que também foi lançada a primeira pedra da Escola Profissional Agostinho Roseta, a Ministra falou da importância da formação na vida dos portugueses, a qual pode ajudar a fixar pessoas no interior, nomeadamente jovens. Ana Mendes Godinho falou no programa "Trabalhar no Interior", criado em pleno momento de emergência, o qual tem cerca de "460 candidaturas abrangendo 860 pessoas com agregado familiar", informou a governante, ciente de que "este é um programa que há que aprofundar e servir de âncora para fixar jovens no interior. Esta tem que ser a nossa aposta total. Os territórios que apostarem nas qualificações, na formação dos trabalhadores, são territórios com futuro”, explicou.

Para tal, Figueiró dos Vinhos aposta agora na formação profissional através da Escola Profissional Agostinho Roseta. A concretização desta aposta tem sofrido com alguns entraves burocráticos mas, porque a vontade nunca faltou, vê agora uma luz ao fundo do túnel. Carlos Silva, presidente da Assembleia Municipal de Figueiró dos Vinhos, concordou com Ana Mendes Godinho na questão da formação profissional ser essencial, uma vez que “ter um canudo não significa garantir um emprego”, disse, considerando que “para que o mercado possa responder com a criação de emprego em novas áreas importa descentralizar a formação profissional articulando-a com o ensino profissional para responder às necessidades das empresas”.
Nesta sessão solene, que serve habitualmente para fazer balanços, Jorge Abreu, presidente da câmara municipal, centrou o seu discurso no que o seu executivo fez, no último ano, para ajudar as famílias em situação de carência, “criando respostas sociais para as dificuldades das famílias”, disse, deixando vários exemplos de ações tomadas, como sendo o apoio “a 150 famílias com refeições ao domicílio no tempo de interrupção escolar, atribuímos 1586 cabazes de alimentos, criámos o tarifário social de água beneficiando 640 famílias, reforçámos os benefícios do cartão sénior, criámos o regulamento municipal de apoio às famílias e reduzimos o IMI à taxa mínima”.
Jorge Abreu realçou ainda dois investimentos que vão nascer, a breve prazo no concelho, ou seja duas novas empresas que estão dispostas a investir mais de 10 milhões de euros.
Por parte da oposição, o Movimento Figueiró Independente, realçou o seu papel de oposição construtiva que tem trabalhado no sentido de ajudar a criar mais e melhores condições para os figueiroenses. A coligação PSD/CDS lembrou a tragédia dos incêndios de 2017, dizendo que nada poderá ficar como antes e hoje o que se vê é que muito pouco foi feito para contrariar esta situação.
O recente falecimento do deputado desta assembleia Miguel Portela foi lembrado por todos os deputados. Apesar de jovem deixou um legado muito importante para se perceber a história do concelho e da região, foi vincado. No final da sessão foi descerrada a placa que assinala as obras de beneficiação dos Paços do Concelho e foi colocada a primeira pedra do Pólo de Figueiró dos Vinhos da Escola profissional Agostinho Roseta.

Partilhar: