NESPERAL: Vinhos Bonjardim voltam a receber ouro e prata

Em concurso mundial de vinhos.

NESPERAL: Vinhos Bonjardim voltam a receber ouro e prata

Os vinhos Bonjardim de 2016, 2019, Moscatel 2017 e Bonjardim 2017, produzidos no Bonjardim Boutique Hotel, com sede no Nesperal, território da União de Freguesias de Cernache do Bonjardim, Nesperal e Palhais receberam recentemente, respetivamente, três medalhas de ouro e uma de prata no 25º Concurso Mundial de Vinhos de Berlim, o Berlin Wine Trophy.
Para Hubertus Lenders, produtor dos referidos vinhos, o segredo do sucesso é o modo de preparação, confeção e conservação, à maneira antiga, baseado no método descrito no livro de Octávio Pato. Segue-o há 32 anos, desde que chegou ao Nesperal. “O vinho tem que ser feito com uvas sãs, num ambiente higienicamente limpo, proporcionando um contacto intenso entre a película da uva e o mosto para captar todos os aromas e taninos e cor que a película tem. Assim, o vinho fica intenso de cor e de corpo”, definiu, considerando igualmente importante haver um equilíbrio entre todos os ingredientes.
Os vinhos Bonjardim são biológicos e também aqui há motivos que contribuem para o sucesso. “Os vinhos biológicos têm uma estrutura bem forte e cada vez se aplica menos sulfuroso para estabilizar o vinho para que assim se aguente mais anos”, explicou.

Um dos prémios foi para o Moscatel de 2017. Este vinho “é feito à base de uma casta rara, o moscatel tinto galego” e teve como princípio de confeção uma receita mal entendida. Quando o casal Lenders chegou ao Nesperal foi recebido por uma vizinha que lhes ofereceu um licor de boas-vindas. O casal quis copiar mas, por questões de linguagem, entendeu mal a receita. No ano seguinte apresentou a bebida à vizinha que a elogiou, dizendo que era melhor que a sua. A partir daqui, seguiu-se um caminho que agora foi medalhado com ouro no referido concurso. E como não podia deixar de ser, também existe um segredo na confeção deste vinho. É que “todos os anos tiramos o moscatel do ano anterior mas as borras ficam no fundo do pipo e vai educar o novo filho para o ano seguinte. Estas borras já têm 32 anos”, desvendou.
Os vinhos biológicos Bonjardim concorreram lado a lado com os industrializados e que, por norma, são feitos à medida. Terem ganho ouro deixa Hubertus ainda mais “orgulhoso”, e por isso dedica as medalhas à agricultura biológica e para a psicologia que está por detrás de tudo, ou seja, “produzir um produto verdadeiro e honesto”.
Na produção biológica, o clima e os aromas naturais de cada ano dão origem a sabores diferentes todos os anos e é este facto que os torna tão específicos e diferentes, acrescentou Hubertus Lenders.

Partilhar: