PAMPILHOSA DA SERRA: Município continua combate à praga dos castanheiros

Estratégia de combate decorre desde 2019.

PAMPILHOSA DA SERRA: Município continua combate à praga dos castanheiros

O Município de Pampilhosa da Serra procedeu à largada de parasitoides (Torymus sinensis), para combate à vespa da galha do Castanheiro (Dryocosmus kuriphilus). Aconteceu após monotorização da REFCAST (Associação Portuguesa para a Castanha) com o apoio técnico da DRAPC (Direção Regional de Agricultura do Centro), refere a autarquia pampilhosense em nota enviada à comunicação social.
Depois de verificado o estado fenológico dos castanheiros e os locais estratégicos para disseminação do parasitoide no território, foram determinadas cinco largadas no concelho para este ano. Esta estratégia teve início em 2019 e tem efeitos a médio/longo prazo, ou seja entre 5 a 6 anos.
Recorde-se que a vespa das galhas do castanheiro (Dryocosmus kuriphilus) é uma praga que causa avultados prejuízos à produção de castanha, caracterizando-se pelo aparecimento de protuberâncias nas folhas e ao longo dos ramos, vulgarmente designadas por galhas, atrasando o desenvolvimento da árvore e consequentemente a diminuição da produção.
Neste sentido, em Pampilhosa da Serra, e como recorda a autarquia, foi elaborado o Plano de Ação Nacional para controlo da vespa da galha do castanheiro, cuja principal ação de controlo é proceder à largada de um parasitoide específico, que se alimenta apenas deste inseto. A estratégia resulta da experiência de outros países europeus como a Itália (com focos detetados desde 2002) e a França (com focos detetados desde 2010). Também a informação técnico/científica disponível, levou a que a opção adotada pela comissão técnica passasse pela realização da luta biológica com Torymus sinensis.

Partilhar: