PAMPILHOSA DA SERRA: Um concelho onde se quer o céu como limite

Novo produto turístico denominado “Dark Sky Aldeias do Xisto” foi apresentado no dia 10 de abril, Feriado Municipal.

PAMPILHOSA DA SERRA: Um concelho onde se quer o céu como limite

As restrições da pandemia obrigaram a reinventar as comemorações do Feriado Municipal em Pampilhosa da Serra que se viveu este ano sem a habitual festa aberta a todos os pampilhosenses, sendo que só foram convidados os presidentes de junta e entidades externas que integram o projeto “Dark Sky Aldeias do Xisto”. Este é um novo produto turístico que resulta de uma combinação entre cultura, ciência e meio ambiente, onde o concelho tem tido um papel preponderante.
Na sessão solene do Feriado Municipal, José Brito, presidente da câmara lembrou o dia em que em Porto da Balsa, “foi instalada uma antena que faz o mapeamento da galáxia no hemisfério norte, um projeto do Instituto de Telecomunicações, liderado por Domingos Barbosa”, enquadrou o autarca para dar nota que o local tem “condições únicas”, para olhar o céu. “Queremos com este produto posicionar o nosso território numa lógica diferenciadora e afirmar a Pampilhosa da Serra como um dos locais mais fantásticos que Portugal tem para olhar o céu numa noite estrelada e descobrir as várias constelações, ajudando a atrair fluxos internacionais”, explicou José Brito.

Trata-se assim da iniciativa “O Céu da Região de Coimbra”, promovida pela Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, no âmbito do Dark Sky Aldeias do Xisto - destino certificado pela UNESCO e pela Starlight Foundation, através do qual este concelho quer “atrair caminhantes, curiosos, cientistas, famílias, jovens e menos jovens”, enumerou o autarca.
“O Céu da Região de Coimbra”, que marca a “retoma do turismo” na região, é assim “a primeira de muitas iniciativas territoriais relacionadas com a observação do céu noturno”, que tentarão convencer turistas e população em geral a “trocar o dia pela noite”, constatou Elsa Marinho, técnica da Comunidade Intermunicipal de Coimbra (CIM RC), na apresentação do projeto.
José Carlos Alexandrino presidente desta CIM, pegando neste exemplo, veio alertar os autarcas para os sinais que esta pandemia veio trazer, na medida em que “hoje não é tão importante ir atrás das empresas mas atrair jovens licenciados, com habilitações e jovens técnicos que podem desenvolver o seu trabalho a partir daqui para qualquer multinacional”. Deste modo, apelou à criação de condições para atrair esses jovens.
Coube a Isabel Damasceno, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, lembrar a todos que este projeto tem todo o seu mérito e que nunca se deve esquecer que em parte, se deve à solidariedade da União Europeia.
A sessão solene de 10 de abril, viria a registar um momento, que nas palavras do presidente da câmara, foi “duplamente histórico”. Por um lado, “pelo Protocolo de Cooperação, entre o Ministério da Defesa, o Município de Pampilhosa da Serra, o Instituto de Telecomunicações e a Associação TICE. PT, que permitirá à Pampilhosa da Serra estar na linha da frente na investigação científica feita em Portugal e ao mesmo tempo colaborar ativamente com o nosso Ministério da Defesa Nacional”. Por outro, pelo bom exemplo de cooperação que o projeto Dark Sky Aldeias do Xisto representa ao nível das instituições, nomeadamente entre a CIM Região de Coimbra, a ADXTUR e as Universidades de Aveiro e do Porto.
Neste Feriado Municipal foram ainda, e como é hábito, anunciados os apoios do município para as instituições do concelho com destaque para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários local, no valor de 240 mil euros.

Partilhar: