PROENÇA-A-NOVA: Bombeiros homenageiam homens e valorizam voluntariado

Em dia emotivo, bombeiros benzem viaturas.

PROENÇA-A-NOVA: Bombeiros homenageiam homens e valorizam voluntariado

Assinalou-se este domingo, 13 de junho, o Dia do Município de Proença-a-Nova, o qual foi aproveitado pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Proença-a-Nova (AHBVPN) para homenagear dois dos seus homens que partiram no último ano.
Um deles foi Diogo Dias que perdeu a vida no incêndio de 24 de julho de 2020 e que atingiu os concelhos de Oleiros, Sertã e Proença-a-Nova. Como manda a tradição, um dos carros da corporação, comprado com o dinheiro solidário de muitas pessoas, ostenta agora o seu nome. O outro homenageia António Fernandes Miguel, homem que serviu a corporação durante mais de quatro décadas.
Estas duas viaturas são do “melhor que há neste momento para dar maior conforto e segurança aos operacionais”, vincou Tiago Marques, Comandante dos Bombeiros Voluntários de Proença-a-Nova (BVPN).
Tratou-se de uma cerimónia emotiva e João Lobo, enquanto presidente do Município e da Assembleia Geral dos bombeiros proencenses, destacou que estes homens e mulheres, “que todos os dias aqui estão, de forma altruísta a darem a sua vida pelos outros” são comunidades vivas que “vivem da capacidade de nos darmos aos outros”, definiu, destacando que tem vindo a acontecer assim ao longo de 70 anos, tempo de vida desta associação humanitária. Lembrando o incidente de 24 de julho do ano passado, confessou que foi um momento particularmente difícil e que foi um “orgulho”, para si e para os outros, ver que esta associação “nunca baixou os braços e esteve sempre no teatro de operações”.
Ricardo Araújo, presidente da AHBVPN foi a voz da medida aprovada em Assembleia Geral (AG) de atribuição de vários louvores. Um deles foi para todas as pessoas voluntários que, em alturas complicadas como os incêndios, asseguram a logística por detrás do combate, garantindo que há uma refeição e um teto para os operacionais descansarem e, depois, regressarem ao teatro de operações. O outro louvor foi para os funcionários da associação que, para além de funcionários, também são voluntários e que no último ano tiveram que dialogar com um inimigo novo chamado Covid-19 pois “tivemos que aprender e colocar em prática os nossos melhores conhecimentos e fizemos o impensável, ou seja, tivemos que fechar as portas da associação para que o vírus não entrasse e isso significou sobrecarregar os funcionários em horas extra para que estivessem ao serviço de quem precisasse”.
Ricardo Araújo referiu ainda que na última AG foi concedido o título de sócio honorário, a título póstumo, a Diogo Miguel Alves Dias, bombeiro de terceira falecido no incêndio de 24 de julho do ano passado. Uma menção honrosa ao 2º Comandante do Quadro de Honra, António Fernandes Miguel, igualmente a título póstumo e um voto de louvor pelos 41 anos de serviço ao Chefe do Quadro de Honra, Luís Filipe Laia Martins.

Partilhar: