PROENÇA-A-NOVA: Mais de 160 jovens basquetebolistas treinaram no concelho

E visitaram praias fluviais

PROENÇA-A-NOVA: Mais de 160 jovens basquetebolistas treinaram no concelho

Durantes os meses de julho e agosto, Proença-a-Nova acolheu mais de 160 jovens basquetebolistas federados, com idades entre os 11 e os 17 anos, em vários campos de férias, numa parceria entre o Município e a ABA – Associação de Basquetebol Albicastrense. Nesta quinta-feira, 26 de agosto, os 56 atletas do último Campus Internacional de Basquetebol – 39 dos quais provenientes de Espanha – e a equipa técnica foram recebidos pelo executivo municipal, tendo sido entregue uma lembrança a agradecer o apoio à realização desta atividade, informou a autarquia proencense.
João Lobo, presidente da câmara municipal, atribuiu uma missão especial a todos os jovens: “que esta seja uma experiência que voltem a repetir nos próximos anos e aqueles que não conheciam Proença-a-Nova têm o compromisso a partir de agora, além de bons desportistas e bons basquetebolistas, de serem embaixadores destes territórios”, referiu.
Marco Galego, um dos treinadores e diretores do Campus Internacional, realça que também faz parte desta iniciativa a promoção do concelho. “Além de lhes darmos o basquetebol, tentamos levar um pouco das raízes das zonas onde estamos, para que eles depois possam voltar com os pais de férias”, afirmou. Em todos os campos houve sempre uma visita a uma das praias fluviais do concelho, sendo que esta semana deslocaram-se ao Malhadal, com utilização do Fluvifun – Parque Aquático. Tendo em conta a pandemia, as saídas são reduzidas ao indispensável, havendo ainda outros impactos, por exemplo ao nível do número máximo de participantes que costumava ser de 130. “Em Proença-a-Nova encontrámos o que não tínhamos nos sítios onde temos feito este campus até agora: conseguimos ter quartos individuais para os miúdos, até para desta forma deixarmos os pais mais tranquilos”, explica Marco Galego.
O treinador e selecionador nacional BCR (Basquetebol em Cadeira de Rodas) adianta ainda que os atletas, todos federados, são originários de vários pontos do país e de Espanha, criando-se laços de amizade “que eles levam para a vida” e misturando-se várias culturas basquetebolísticas. “Se tudo correr bem no próximo ano estaremos cá”, garante, esperando que seja já em contexto sem pandemia.

Partilhar: