REGIÃO: Projeto de agricultura biológica já tem 34 produtores certificados

Os concelhos de Mação, Proença-a-Nova, Oleiros, Sertã e Vila de Rei juntaram-se para dar corpo ao projeto Bioberço da Lusitânea, da responsabilidade da Associação de Desenvolvimento Local, Pinhal Maior, da qual todos estes concelhos fazem parte.

REGIÃO: Projeto de agricultura biológica já tem 34 produtores certificados

Trata-se de um projeto de agricultura biológica, que neste momento já tem 34 produtores certificados e que pretende “incentivar, desenvolver e colocar os produtos nos respetivos circuitos”, explicou o presidente da Pinhal Maior, Vasco Estrela. Entre outras ações, a associação criou uma central de armazenamento e embalagem dos produtos. “Tentámos encontrar e criar uma cadeia de valor para que as pessoas se sintam seguras para começarem a fazer agricultura biológica”, explicou em declarações à Rádio Condestável.
Esta é uma área de futuro, acreditam os promotores. A associação proporcionou igualmente formação aos futuros agricultores biológicos e alguns já estão a colocar os produtos no mercado.
Este é um projeto que “está dinâmico e permanentemente a sofrer alterações, no bom sentido, com pessoas a querem entrar. “É um projeto cada vez mais enraizado na região e estamos a tentar trabalhar numa perspetiva de futuro”, reforçou.
Neste projeto existe “a garantia de escoamento dos produtos”, garantiu e o que o produtor não conseguir vender pelos seus próprios canais, a Pinhal Maior “assegurará forma de fazer chegar os seus produtos aos destinatários e as pessoas serão ressarcidas do respetivos valores”, notou Vasco Estrela, sendo que neste projetos já se abriram várias portas. “Fomos visitar locais de retalhistas para garantir que o que estávamos a transmitir era uma realidade. Para além disso, as marcas do setor, estão disponíveis para receber os produtos que têm que ter vários requisitos”, explicou.
Este é um projeto que pode ser encarado como uma forma de vida ou como um complemento. Desde que as pessoas tenham terrenos disponíveis, tudo é possível, mas, alerta Vasco Estrela, é preciso dedicação à terra para que o mesmo resulte.
A referida central de recolha ficará sedeada no concelho de Mação e está praticamente concluída. Ali chegarão os produtos que depois serão devidamente embalados e escoados. “É um armazém que recebe o produto por grosso. Depois esse produto é trabalhado em termos de imagem e embalagem para chegar ao retalhista ou diretamente ao consumidor final.
Prevê-se igualmente que este projeto crie alguns postos de trabalho.
Em processo de certificação estão, neste momento, cerca de 10 produtores.

Partilhar: