SERTÃ: Conteúdo e frequência dos boletins municipais em análise

Na última reunião do executivo municipal. PS acusa câmara de eleitoralismo.

SERTÃ: Conteúdo e frequência dos boletins municipais em análise

O Boletim Municipal da Sertã não tem obedecido a uma saída regular. Recentemente foi publicada mais uma edição. Aproveitando esta oportunidade, na reunião do executivo municipal desta segunda-feira, 10 de maio, a vereadora do Partido Socialista (PS), Cristina Nunes, questionou se esta ação não seria “campanha eleitoral com uso de verbas municipais”, disse, comparando esta sua expressão à acusação feita pelo presidente da câmara ao vereador Carlos Miranda quando este “apresentou a sua recomendação ‘Apoio à Economia Local’ na reunião de dia 1 de março”, recordou Cristina Nunes. A vereadora fundamentou a sua expressão com o facto de este boletim ter sido publicado e distribuído, durante anos, apenas uma vez por ano “e agora, no espaço de três ou quatro meses, já vão no terceiro boletim com toda uma panóplia de obras realizadas ao longo do mandato”, ilustrou.
Recusando a ideia de eleitoralismo, José Farinha Nunes, presidente da câmara reconheceu o atraso na publicação do boletim municipal e explicou que “tinha havido um lapso no anterior, porque não foram referidas as obras municipais, e fomos obrigados, devido a várias reclamações, a publicar um outro com as obras que não tinham sido incluídas no primeiro”, justificou.

Partilhar: