SERTÃ: Defesa quer que incendiário seja considerado inimputável

Nelson Afonso vai ser julgado por ter provocado diversos incêndios na região.

SERTÃ: Defesa quer que incendiário seja considerado inimputável

Nelson Afonso, presumível incendiário detido pela Policia Judiciária (PJ) no passado dia 19 de julho, pode vir a ser considerado inimputável. Esta é uma das linhas que a defesa está a seguir. “Entendemos que, face ao trauma que passou (ter assistido à morte do pai e o facto de não ter uma explicação para o sucedido) levou-nos a pedir uma perícia médica. Depois os médicos poderão avaliar se ele estaria inimputável ou não”, explicou à Rádio Condestável, Luís Pires (na foto acima), advogado de Nelson Afonso, considerando também que “tem que ser analisado o estado do arguido à data dos factos”.
Este pedido já foi feito e decorre a fase de inquérito. Luís Pires, sem se querer comprometer com datas, avança que dentro de seis meses poderá haver uma resposta.

Aquando do primeiro interrogatório, o advogado de defesa considerou a prisão preventiva uma medida excessiva. Neste momento ainda está a analisar a decisão e a seu tempo poderá recorrer para o Tribunal da Relação para que esta decisão possa ser revogada dentro de 3 meses. Consciente do alarme social que esta situação pode acarretar, Luís Pires considera que podem existir outras alternativas que não a prisão preventiva até ao julgamento.
Neste momento Nelson Afonso está no estabelecimento prisional de Castelo Branco, em isolamento profilático devido à Covid-19. Os contactos têm sido feitos por telefone e nota-se que se “tem estado a aguentar”. Quando sair do isolamento e ficar em contacto com os outros reclusos, “acredito que haverá um maior choque para ele pois nunca teve contacto com a justiça e com os estabelecimentos prisionais”, notou.
Recorde-se que Nelson Afonso, engenheiro eletrotécnico, será julgado por ter ateado 16 fogos florestais na Sertã e em concelhos vizinhos, nos últimos cinco anos.

Artigos Relacionados

Partilhar: