SERTÃ: Fôlego arranca com Concerto de Bruno Pernadas

Dia 27 de novembro na Casa da Cultura da Sertã.

SERTÃ: Fôlego arranca com Concerto de Bruno Pernadas

No próximo dia 27 de novembro, a Casa da Cultura da Sertã vai ser palco do concerto de Bruno Pernadas que marcará o arranque do “Fôlego” – Programa de intervenção artística movido pelo combate às alterações climáticas em Sertã, Mação, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila de Rei, que estará no terreno até ao verão de 2023.
Com início às 21:00, o concerto conta com Bruno Pernadas na guitarra, teclado e sintetizadores, acompanhado por Margarida Campelo na voz, teclados e sintetizadores, João Correia na bateria, Nuno Lucas no baixo eléctrico, Afonso Cabral na guitarra, percussões e voz, e João Capinha nos saxofones (tenor, alto e soprano). O concerto intitula-se “Private Reasons” assinala o regresso de Bruno Pernadas às edições depois de “How Can We Be Joyful in a World Full of Knowledge” (2014) e “Those Who Throw Objects at The Crocodiles Will Be Asked to Retrieve Them” (2016). O aguardado novo disco surge em 2021 depois de ter assinado recentemente a banda sonora do filme “Patrick” de Gonçalo Waddington e da série da Netflix “Glória”, descreve a Câmara Municipal da Sertã numa nota enviada à comunicação social.
A entrada é gratuita mediante reserva antecipada de bilhete (máximo de três por pessoa) presencialmente na Casa da Cultura da Sertã, por telefone 274 600 326 ou pelo e-mail turismo@cm-serta.pt. Levantamento de bilhetes a partir de 23 de novembro. Caso haja disponibilidade de bilhetes, poderão ser levantados até ao dia do espectáculo.
Bruno Pernadas é compositor, produtor e multi-instrumentista, e integra as bandas Real Combo Lisbonense e Montanhas Azuis. Foi o primeiro português a produzir um disco de uma banda japonesa – “Massana Temples”de Kikagaku Moyo, tendo atuado em 2018 no conceituado Festival de Frue, no Japão, com a sua banda de nove elementos. Em janeiro de 2022, representará a Antena 3 no festival Eurosoni na Holanda.
O concerto na Sertã marca a apresentação ao público do “Fôlego”, programa que aliará as artes, a ciência e o ambiente, trabalhando a problemática do clima em várias frentes - não apenas numa abordagem conceptual e artística, mas também pela sensibilização e envolvimento da comunidade em ações concretas no sentido da mitigação e adaptação aos efeitos da crise climática.
Privilegiando o envolvimento da comunidade local em torno de um futuro saudável e consciente, o FÔLEGO terá uma programação cruzada entre áreas artísticas como as artes plásticas, dança, fotografia, música, novo-circo, novos media e teatro. Terá como eixo principal a arte participativa e comunitária, em relação próxima com as populações, promovendo a mobilidade de públicos e artistas locais, nacionais e internacionais.
Selecionado para financiamento no quadro EEA Grants, Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu, o projeto é promovido pela Academia de Produtores Culturais, em parceria com Mapa das Ideias, H2Dance (Noruega), Universidade da Islândia, Associação Pinhal Maior e os cinco municípios – Mação, Oleiros, Proença-a-Nova, Sertã, Vila-de-Rei - atuando num esforço coordenado entre dezenas de instituições locais, nacionais e internacionais, de caráter governamental e não-governamental.
O nome FÔLEGO surge da associação do território ao fogo - mas também ao ar, necessário à combustão e à vida – e o programa convida à imersão no património natural por via das artes, apelando à mobilização local, nacional e internacional pela mitigação da crise climática.
Ao longo dos dois anos de implementação, o Fôlego terá uma presença forte e contínua, com diversas iniciativas. Alguns destaques de iniciativas previstas:
- “Ice & Fire”, intercâmbio de residências académicas/artísticas entre a Islândia e Portugal – gelo e fogo –q ue culminará na elaboração de um manual de Boas Práticas para o Clima entre os dois países;
- “Migrantes Climáticos”, projeto de criação sobre as memórias das populações migrantes no local pela companhia Teatro O Bando;
- “Planta Party”, série de eventos musicais nas praias fluviais que levarão à reflorestação de áreas ardidas;
- “Vilas Mutantes”, trabalho sobre as memórias, costumes e saberes da comunidade pela coreógrafa Alice Duarte e o músico Alexandre Moniz;
- “H2Dance” - um “festival do futuro”, com foco nos desafios climáticos preparado pela estrutura norueguesa H2Dance, envolvendo jovens e artistas locais profissionais;
- Fernando Mota criará instrumentos musicais a partir de galhos de árvores;
- Capicua apresentará o projeto Mão Verde.
O programa inclui também a atuação de artistas locais em concelhos vizinhos.

Partilhar: