SERTÃ: Hemeroteca Digital é projeto pioneiro na região

Atualizações podem ser constantes.

SERTÃ: Hemeroteca Digital é projeto pioneiro na região

A Hemeroteca Digital do concelho da Sertã está oficialmente lançada.
Este é um espaço online para todos os que gostam de procurar o passado, neste caso a partir das páginas dos jornais que, desde há 150 anos a esta parte, se têm publicado no concelho da Sertã.
No lançamento oficial deste espaço, José Farinha Nunes, presidente da autarquia sertaginense fez referência ao pioneirismo deste local de preservação da história do território que serve igualmente para perceber como o concelho da Sertã tem evoluído ao longo destes 150 anos principalmente depois de, "em 1917, um incêndio ter consumido todo o espólio documental camarário e outras peças bibliográficas", lembrou.
As publicações disponíveis “fazem parte da nossa história e contam a nossa história”, referiu também o autarca, adiantando que “é muito graças a estes jornais que conhecemos o importante contributo de muitos homens e mulheres para a nossa história recente”.
A Sertã é a primeira autarquia a dispor de uma hemeroteca digital com várias publicações associadas ao concelho, desde 1884 até à atualidade, sendo que apenas a cidade de Lisboa tem uma, mas de forma física.
No final do século XIX, o concelho da Sertã tinha 4 jornais em circulação, quase tantos jornais como a cidade de Castelo Branco. O primeiro jornal data de 1884. Chamava-se “O Correio da Sertã” e “era lido nas tabernas e nos barbeiros da Sertã”, referiu Rui Lopes, da equipa da biblioteca municipal, lembrando que nessa altura a taxa de analfabetismo era de cerca de 85%. Assim, “alguém comprava o jornal e lia-o em voz alta na taberna ou na barbearia. Era como a rádio da época. Os jornais educavam as pessoas mesmo elas não sabendo ler”, ilustrou.
Este trabalho de recolha nunca está acabado, fez questão de referir Ana Sofia Marçal, responsável pela Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes, e por isso “todos os dias estamos a trabalhar”, disse, esperando que “todos os meses surjam novidades no portal”.
No entender de José Farinha Nunes, com este projeto, cumpre-se uma das competências do Município que “obriga a assegurar, em parceria, ou não com outras entidades públicas ou privadas, o levantamento, classificação, administração, manutenção, recuperação e divulgação do património natural, cultural, paisagístico e urbanístico do município”.
“Este projeto e outros que a câmara está a preparar como a Casa da Imagem ou o cuidado e atenção a ter com o espólio da Rádio Condestável enchem-nos de esperança e com a certeza que estamos no caminho certo”, finalizou José Farinha Nunes.
A Hemeroteca Digital da Sertã está disponível na internet, em hemeroteca.cm-serta.pt .

Partilhar: