SERTÃ: Maratona de Leitura já está a dar a voz ao planeta

“O grito de alerta que ecoará durante os próximos dias será ouvido e percecionado”, José Farinha Nunes, presidente da câmara.

SERTÃ: Maratona de Leitura já está a dar a voz ao planeta

Com a renovada Praça da República na Sertã bem emoldurada de público, foi inaugurada na noite de ontem, 30 de junho, a nova edição da Maratona de Leitura – 24 horas a ler.
Esta festa dos livros e da leitura em voz alta está a percorrer o concelho com múltiplas atividades e é prova que “hoje o concelho já não pode viver sem a sua maratona” disse, na abertura oficial do evento, José Farinha Nunes, presidente da Câmara Municipal da Sertã, organizadora do evento através da Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes. O autarca lembrou que é “o poder da diferença e a capacidade de nos reinventarmos permanentemente” que caracteriza esta maratona, bem como “a sua irreverência, criatividade e perseverança”. José Farinha Nunes sublinhou que é preciso muito esforço, dedicação e paixão para fazer um “evento cultural desta grandeza” no interior do país, destacando todos os que estão envolvidos nesta realização.

Hoje, como ontem, a proteção do ambiente está em cima da mesa e esta iniciativa a cultura não quis fugir à regra trazendo para a reflexão as questões da proteção do planeta, sendo que o edil sertaginense destacou os objetivos da agenda 2030. “Quisemos com este evento chamar a atenção para questões importantes como são os objetivos da Agenda 2030. Esta agenda é um referencial decisivo para o nosso planeta. Nela estão vertidas todas as mudanças que é preciso promover e colocar em prática”, explicou, dando nota que “o grito de alerta que ecoará durante os próximos dias será ouvido e percecionado”, mesmo porque “todos temos uma palavra a dizer e é aqui que podemos começar a fazer a diferença”, convidou o autarca.
O cartaz oficial do evento ilustra dois pássaros que se abraçam. “Eles serão os embaixadores do planeta”, durante quatro dias, sendo que o ato representado transmite “um abraço de esperança, de quem acredita num mundo melhor”, ilustrou José Farinha Nunes, acrescentando que esses animais “lembram o grito de alerta e o sobressalto cívico que são necessários para que as questões do planeta estejam novamente na ordem do dia”.
Ler em voz alta é o mote que acompanha este evento deste a primeira edição e “é o melhor sinal de liberdade que existe. Sentir que a nossa voz é escutada e que podemos dar vida aos livros e às histórias que eles transportam. Dar asas à imaginação”, sustentou, terminando com a ideia de que “a Maratona de Leitura é para quem gosta de ler e para aqueles que ainda não sabem que gostam de ler”.
A noite terminou com a atuação do projeto Ruje.

Programação para hoje:

Hoje, dia 1 de julho, às 10:00 decorre o encontro de literatura infantil com Yara Kono, Pedro Ferrão e Joana Lopes na Alameda da Carvalha. Às 11:00 uma sessão de contos com contadores de histórias e as festas na aldeia em Várzea dos Cavaleiros e Cumeada, às 11:00 e 14:00 respetivamente. À tarde, pelas 15:00 o Clube da Sertã recebe uma oficina de leitura criativa com Paulo Condessa e meia hora mais tarde terão lugar sessões de leitura em voz alta em empresas concelhias. Pelas 16:30 decorrerá, na Escola da Abegoaria, a oficina denominada “O Tacho para a Sertã”, com Bru Junça e Patrícia Azevedo. Meia hora mais tarde haverá sessão de leitura a partir do projeto “R.E. Fazenda” no Atelier Túllio Victorino em Cernache do Bonjardim. Gonçalo Mógão terá a seu cargo uma oficina denominada “Chá de Poesia Dançante” às 17:30 e às 18:30 o encontro com os escritores Nuno Camarneiro e Vasco Gato em Vau (Rio Zêzere) em Pedrógão Pequeno irá fazer uma reflexão assente no tema “Poesia que Salva o Mundo”. À noite, pelas 21:30 decorrerá o lançamento do áudio livro “Guia Experimental para a Leitura em Voz Alta”, na Praça da República e às 23:00 a atividade “Poesia para ver no escuro” na biblioteca municipal encerra este dia de atividades.

Programação para amanhã:

Amanhã, dia 2 de julho, a maratona começa às 09:30 com “Comeres da Terra” – Permacultura em food forest nas margens da Ribeira da Sertã. Pelas 10:00 o encontro com os escritores Ana Ventura, Carlos Nuno Granja e Rui Guedes na Alameda da Carvalha. Segue-se uma arruada poética pelas ruas da vila (10:30), um workshop de cozinha sustentável no mercado municipal (11:00) e as festas na aldeia em Pedrógão Pequeno (11:00). Meia hora depois novo encontro com escritores, desta feita com Carmen Lima e Joana Bértholo na escadaria de acesso à Igreja Matriz da Sertã.
Durante a tarde regressam as festas na aldeia, desta vez no Troviscal, pelas 14:00 e à mesma hora na Casa da Cultura da Sertã será apresentado o livro “A Família Monstro”. Os prémios do primeiro concurso nacional de leitura em voz alta serão entregues às 15:00 no salão nobre dos Paços do Concelho. Fernando Guerreiro terá a seu cargo a oficina de escrita micro ficção na biblioteca às 15:30, à mesma hora em que decorrerá nova oficina “O Tacho para a Sertã”, com Bru Junça e Patrícia Azevedo na Escola da Abegoaria na Sertã.
A programação segue com o lançamento do livro “Silêncio – os pássaros leem em voz alta” e com a inauguração da exposição “Pássaros da Amazónia” com Maurício Leite, a partir das 16:00 nos claustros do Convento Hotel da Sertã. Rodolfo Castro assegura, meia hora depois, o curso de narração oral e na localidade de Dona Maria, freguesia de Ermida e Figueiredo, José Eduardo Agualusa e Jerónimo Pizarro encontram-se com os leitores na iniciativa “Vemos, ouvimos e lemos. Não podemos ignorar”. Às 17:30 decorrerá a oficina “Leitura criativa, cooperativa” com Paulo Condessa no Clube da Sertã e depois das 18:00, no mesmo espaço passa o documentário e exposição “Um grito na paisagem” de Vasco Gato e Vitorino Coragem e terá lugar a iniciativa “Romance ao Contrário” com intervenção do pianista Marco Figueiredo. A Fonte da Boneca recebe, às 19:00, o programa “Prova Oral” da Antena 3 com apresentação da exposição “Bibliotecas Itinerante: lugares e futuro”. A noite do dia 2 de julho fica completa com o encontro com os escritores Mempo Giardinellu e Miguel Real às 20:30 e com o espetáculo “À margem, de uma certa maneira – o canto do exílio”, pelo Andante, na Casa da Cultura da Sertã. 

Partilhar: