SERTÃ: Município homenageia população do concelho

Por ter “ajudado a edificar o concelho ao longo de séculos” – José Farinha Nunes, presidente da câmara.

No dia em que o concelho da Sertã assinala o nascimento de Nuno Álvares Pereira e, consequentemente o Dia do Município, o presidente da câmara municipal, José Farinha Nunes falou na importância de ter um futuro assente em bases sólidas e duradouras que ajuda na construção coletiva, a qual “envolve toda a comunidade e a convoca para altos desígnios” como acontece com o concelho da Sertã, realçou o presidente que, neste dia 24 de junho, feriado municipal, homenageou toda a população do concelho, agradecendo o seu contributo por ter ajudado a edificar o concelho ao longo de séculos. “Quanto esforço e abnegação não foram necessários para que hoje aqui estivéssemos a celebrar este dia”, disse, para recuar 12 anos e dizer que “foi esta mesma população que, há 12 anos atrás, em 2009, nos confiou a nobre missão de liderar os destinos do Município”. José Farinha Nunes garantiu que foi uma tarefa assumida com “sentido da responsabilidade, mas também com o propósito de tudo fazer para engradecer este concelho”, vincou, acreditando que “fomos bem sucedidos, não apenas porque vimos o mandato renovado por duas vezes neste período, mas porque não há dúvidas de que a Sertã é hoje um concelho diferente para melhor, mais bem preparado para os desafios do futuro e, sobretudo, dotado de uma força renovada para o que será um novo paradigma do municipalismo em Portugal”.
O autarca lembrou as evoluções que ocorreram em três mandatos em áreas tão distintas como o turismo, a cultura, a economia, as acessibilidades ou o bem-estar social, lembrando também que “nos rankings relativos à qualidade de vida e à capacidade de atração de investimento, o concelho da Sertã ocupa agora, a nível regional e também no contexto do interior português, uma posição de destaque”. Deixando claro que o caminho não foi fácil, disse igualmente que foi desenhada uma “estratégia que se revelou ganhadora e estamos já a colher alguns dos seus frutos, como é possível verificar, por exemplo, no considerável aumento do número de turistas que visitam o nosso concelho ou na atratividade que o município tem registado ao nível da investigação e desenvolvimento, muito graças à aposta no SerQ”.
Porque o futuro se faz de ideias mobilizadoras, o autarca recordou o discurso de 2020 em que ficou a ideia da Sertã estar pronta para ser cidade. “Era um desígnio mobilizador para a próxima geração, um propósito que deveria guiar a nossa vontade de querer mais e melhor para a Sertã”, explicou, desenhando um futuro de modernidade assente nesse passado de lutas e de conquistas. “Nos últimos 40 anos, o concelho cresceu de forma exponencial, reforçou a coesão no interior do seu território, permitiu que o crescimento chegasse a zonas do concelho que não haviam conhecido qualquer obra pública no espaço de um século. Construída essa Sertã, é preciso agora dar-lhe um propósito de futuro, de modernidade. Temos de continuar a garantir o desenvolvimento e crescimento do nosso concelho, sob pena de nos remetermos àquele lugar subalterno que ocupámos durante demasiado tempo no passado em que outros decidiam por nós”, sublinhou.
José Farinha Nunes não voltará a concorrer à câmara mas, sobre os vindouros, acredita que “dentro de poucos meses, partilharão desta visão de futuro e destes importantes desígnios, nunca olvidando, contudo, o bem-estar da sua população. Porque a população deve continuar a ser ouvida e respeitada”, notou.
A terminar esta jornada que classificou de “memorável”, garantiu que ele e a sua equipa feita de “elementos extraordinários, profissionais e capazes”, sairá de consciência “tranquila com o trabalho realizado e sabendo que tudo foi feito pelo engrandecimento do concelho”.

Partilhar: