SERTÃ: Passagem para CIMBB terá que ser “gradual” e a “longo prazo”

Executivo Municipal discorda da forma como o processo está a ser conduzido

SERTÃ: Passagem para CIMBB terá que ser “gradual” e a “longo prazo”

Uma Proposta de Lei do Conselho de Ministros prevê a criação de uma nova região plano que englobe as Comunidades Intermunicipais do Oeste, Lezíria e Tejo e a Comunidade do Médio Tejo. Esta proposta decreta que os concelhos da Sertã e de Vila de Rei deixem de pertencer à Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIM Médio Tejo) e passem a integrar a da Beira Baixa.
No início do mandato, quando se falou sobre esta possibilidade, Carlos Miranda, presidente da Câmara Municipal da Sertã, deixou bem claro que este era, na altura, “um não assunto”. Na reunião do executivo Municipal da Sertã de 18 de novembro, o vereador do PSD Paulo Farinha Luís fez notar o seu desagrado por esta passagem por decreto.

Confirmando o que já anteriormente dissera, Carlos Miranda confirmou igualmente que foi apanhado de surpresa pela urgência deste assunto e fez questão de manifestar o seu desagrado sobre esta passagem, ainda mais numa altura em que estão em curso tantos projetos com a CIM do Médio Tejo. Adiantou que já fez saber junto do Governo que esta troca não é como "trocar de camisa":

Carlos Miranda defende que este tem que ser um trabalho gradual mas a longo prazo. Não vê, assim, grandes condições para ser tratado no imediato:

Numa altura em que as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regionais vão passar a integrar grande parte dos serviços desconcentrados do Estado, o autarca sertaginense sustentou que não é de todo viável que o concelho passe a depender de Santarém, ou até de Lisboa, quando sempre dependeu de Coimbra em todas as matérias de governação.

Partilhar: