SERTÃ: SerQ tem as melhores práticas do país no EGURALT

Ao nível da construção de meia altura com madeira em Portugal.

SERTÃ: SerQ tem as melhores práticas do país no EGURALT

O projeto EGURALT está a dar continuidade à identificação e aplicação de novos processos e tecnologias que visam a utilização da madeira, como produto local e renovável, em edifícios de média altura. Como recorda a EGURALT em nota enviada à comunicação social, este projeto está enquadrado na Prioridade do Programa Interreg SUDOE que visa "promover capacidades de inovação para um crescimento inteligente e sustentável", e especificamente no objetivo temático que visa "reforçar a investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação".
O projeto Interreg SUDOE EGURALT realizou o seu segundo workshop interregional na quarta-feira, dia 3 de novembro, onde participaram mais de 20 pessoas da Galiza, Navarra, Castilla y León, Portugal e França. Nesta ocasião, os parceiros responsáveis pela organização do evento foram a Axencia Galega da Industria Forestal (XERA) e Baskegur (co-organizadores).
A iniciativa contou com a participação dos oito parceiros do projeto, dividindo-se o workshop em três partes distintas, nomeadamente partilha e avaliação de boas práticas, discussão dos quatro grupos de trabalho (promoção e políticas públicas, formação, estratégia empresarial do sector e I+D+i) e quatro visitas de estudo que incluíram Maderas Besteiro, Centro Social Lamas de Prado, Impulso Verde e Xilonor.
De acordo com a referida nota, o SerQ–Centro de Inovação e Competências da Floresta, da Sertã, enquanto representante de Portugal, partilhou com todos os parceiros as boas práticas relacionadas com a investigação de novos produtos com base na madeira. Assim, o SerQ explicou como a combinação de diferentes madeiras pode levar a uma melhoria substancial em algumas propriedades como a resistência ou a rigidez.
O workshop foi “muito produtivo em termos de ideias e tópicos”, lê-se na referida nota e em termos de boas práticas, destacam-se as relacionadas com a educação, a habitação social e as novas técnicas de construção em madeira. Em relação aos temas de discussão, foram colocadas na mesa questões de importância vital para o futuro do sector da madeira, tais como a necessidade de uma mudança de paradigma que afeta verticalmente todo o sector, desde a educação, investigação em novos processos de fabrico e construção, e também de uma nova forma de divulgação através de políticas públicas favoráveis.
Finalmente, o director da XERA, José Ignacio Lema Piñeiro, foi o responsável pelo encerramento do workshop e deixou presente que “a madeira é um material vivo e projetos como o EGURALT são necessários para um melhor funcionamento do planeta. Se conseguirmos melhorar esta indústria, vamos melhorar o mundo", concluiu Lema.
A conferência foi organizada nas instalações de uma unidade industrial como um compromisso claro e decisivo da administração galega para a valorização de uma indústria que é uma referência na inovação. Além disso, a empresa Maderas Besteiro tem sido um actor-chave na promoção de novos materiais e na utilização da madeira na construção, apresentando por isso as condições ideais para a realização do evento.
Paralelamente ao workshop, a XERA organizou quatro visitas de estudo, ou seja, às próprias instalações de Maderas Besteiro, o Centro Social Lamas de Prado, o Impulso Verde e a empresa Xilonor. Uma combinação de locais de transformação de madeira com exemplos de construção muito representativa do que EGURALT procura: troca de conhecimentos, experimentação de novos processos e produtos e capitalização de conhecimentos.
O EGURALT, que faz parte do Programa Interreg SUDOE, é co-financiado a 75% pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e tem um orçamento total de 1.011.562,50 €.

Partilhar: