SERTÃ: Vereadores do PSD contra transvase do Cabril para o Tejo

Executivo Municipal analisou assunto esta manhã.

SERTÃ: Vereadores do PSD contra transvase do Cabril para o Tejo

A recente notícia do transvase de água da Albufeira do Cabril para o Rio Tejo esteve em análise na reunião do executivo municipal da Sertã deste dia 5 de julho. O vereador do PSD Paulo Farinha Luís, mostrou-se contra este transvase e está consciente de que existem outras alternativas. Mostrou-se ainda disponível para ajudar nesta batalha. Concordando com a maioria dos pontos que saíram da recente reunião dos presidentes das câmaras de Oleiros, Pedrógão Grande, Sertã e Pampilhosa da Serra, com o Secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, o vereador social-democrata apenas não concorda com o último ponto, ou seja, que “qualquer projeto que venha a ser implementado deverá salvaguardar uma quota mínima para a Albufeira do Cabril, e outras a jusante, que permita o uso múltiplo destas albufeiras, nomeadamente, a captação de água para abastecimento das populações, a defesa contra incêndios e a utilização para fins turísticos, essencial para a economia local”. Paulo Farinha Luís disse não compreender a obsessão do Governo em continuar com este projeto que, na sua opinião prejudica a população destes concelhos e dificilmente se justifica pois transporta água para poucos quilómetros à frente do seu curso natural:

A referida reunião aconteceu porque os autarcas consideram que têm que ser ouvidos e que a sua opinião tem que ser tida em conta, enquadrou o presidente da Câmara Municipal da Sertã, Carlos Miranda. Na sua opinião, a escassez de água é uma realidade e tem que haver uma gestão integrada dos recursos hídricos. Se Castelo de Bode tem uma cota mínima, o Cabril também deve ter e este processo poderá ajudar a que isso aconteça, já que, por não haver qualquer controlo sobre a água do Cabril, a qualquer momento aquela albufeira poderá ficar seca:

Sobre esta posição, Paulo Farinha Luís deixou claro que este transvase não tem que ter como moeda de troca um reservatório de água. Para José Nunes, também vereador do PSD, "este transvase é incompreensível e nós seríamos altamente prejudicados", disse.
Além deste aspeto, foi relembrado que a concessão com a EDP está a terminar e, caso não seja reativada, um dos usos da água do Cabril poderá ser uma reserva para diversos fins, reforçou Carlos Miranda:

Sobre a questão da água, Paulo Farinha Luís chamou ainda à conversa a sua preocupação sobre a questão dos painéis solares que se prevê instalar na albufeira:

Carlos Miranda adiantou que, ao que se sabe, irão ocupar uma extensão mínima e não prejudicarão as atividades ligadas ao plano de água:

Os autarcas desta região prometem assim estar alerta e atentos a qualquer movimentação na Albufeira do Cabril, esperando que exista bom senso na proteção das populações.

Artigos Relacionados

Partilhar: