SERTÃ/Covid-19: Município lembra as vítimas silenciosas da pandemia

As crianças e os adolescentes são vítimas silenciosas da pandemia da Covid-19. Rotinas alteradas, prioridades trocadas, hábitos novos ou simplesmente brincadeiras canceladas são hoje o ‘novo normal’ desta faixa etária, que tem aulas pela internet e vive confinada como a restante comunidade.

SERTÃ/Covid-19: Município lembra as vítimas silenciosas da pandemia

No “Todos juntos no combate à pandemia”, programa da Rádio Condestável que conta com o apoio do Município da Sertã, lembram-se também as crianças e os jovens. Como refere o Município sertaginense, “esta pandemia trouxe importantes desafios à sociedade e às famílias, com uma repercussão no comportamento e desenvolvimento infantis, cuja dimensão ainda não é possível descortinar”. 
Fazendo uma alusão a estudos recentes sobre o impacto da Covid-19 na saúde das crianças que têm criado alguns alertas, o Município alerta para a existência de “problemas emocionais e comportamentais sinalizados e que eventualmente poderão tornar-se mais frequentes, designadamente a distração, irritabilidade, perturbação do sono, agitação, o medo de ser infetado ou de algum dos seus familiares mais próximos contrair o vírus e a dependência excessiva relativamente a esses mesmos familiares.
Mas há outro tipo de consequências a reter: crianças e adolescentes mais individualistas, com menos atividade desportiva e a fazerem uso excessivo das novas tecnologias. São sinais que não devem ser ignorados e para os quais é importante estar vigilante. Outro elemento importante desta equação prende-se com o encerramento das escolas, que “além de ter provocado graves prejuízos pedagógicos, aprofundou nalguns casos as desigualdades sociais já existentes”.
Deste modo, fica a nota de que “a pandemia obrigou a decisões difíceis, que tiveram repercussões profundas na vida de todos, sobretudo das crianças e adolescentes”.
Importa, pois, no entender da edilidade, “mitigar alguns desses efeitos negativos da pandemia no desenvolvimento das crianças. Para isso, os especialistas aconselham algumas medidas, que os pais ou familiares poderão colocar em prática. Desde logo, chamam a atenção para a importância da comunicação com as crianças, procurando esclarecer todas as dúvidas que possam ter e estabelecendo um diálogo baseado na verdade e compreensão. É fundamental deixar a criança falar e expor aquilo que a preocupa.
O afeto é outra ferramenta fundamental – a demonstração de carinho e de sensibilidade às manifestações da criança ajudam a construir um ambiente em que os mais pequenos se sentem aceites e protegidos. É preciso entender que, em situações particularmente tensas, a criança pode revelar comportamentos diferentes do habitual”. Assim sendo, o Município apela a que nunca se desvalorize as reações de medo ou ansiedade e a que se elogie sempre as boas atitudes”. Aconselha a que se dê tempo às crianças para brincarem e, “mais importante ainda, brinque com as suas crianças. A brincadeira e os jogos são formas da criança organizar e dar sentido ao mundo. É importante criar em casa uma rotina que permita fortalecer os laços familiares. A leitura, o desenho, os jogos de tabuleiro, as brincadeiras e o auxílio nas tarefas domésticas são algumas atividades possíveis. Permita também que a criança mantenha laços afetivos com amigos e familiares, sempre de acordo com as normas de segurança, através, por exemplo, de meios virtuais. É fundamental o equilíbrio neste tipo de cenários e as crianças e adolescentes necessitam de uma atenção especial.
Siga as melhores práticas”, recomendam a Câmara Municipal da Sertã e a sua Comissão Municipal de Proteção Civil.

Artigos Relacionados

Partilhar: