SERTÃ/Covid-19: Proteção Civil deixa alerta à população

A Comissão Municipal de Proteção Civil da Sertã (CMPCS) alertou a população para a forma como esta está a encarar o desconfinamento. Estado de emergência ainda está em vigor.

SERTÃ/Covid-19: Proteção Civil deixa alerta à população

Em comunicado, emitido após a reunião de 7 de abril, a CMPCS refere que “embora a situação epidemiológica registe progressos significativos, este não é ainda o momento para o tão desejado regresso à normalidade, continuando a vigorar o estado de emergência, com as limitações que isso implica” e explica que “desde o passado dia 5 de abril, data em que se iniciou a segunda fase do desconfinamento, foi possível sinalizar, entre a população, uma série de comportamentos incorretos, que além de infringirem as normas atualmente em vigor colocam em risco a saúde dos cidadãos”.
A comissão exemplifica com as esplanadas em que foi possível verificar "que nem o uso de máscara era cumprido, nem tampouco o distanciamento social, mesmo quando muitos cidadãos eram instados a cumprir esses procedimentos pelos proprietários dos estabelecimentos comerciais”. “Na via pública, onde o uso de máscara é obrigatório sempre que não seja possível cumprir o distanciamento físico recomendado, foram identificadas diversas situações de incumprimento”, adianta.
A Comissão Municipal de Proteção Civil da Sertã chama a atenção de toda a população para o facto de a pandemia Covid-19 “continuar a ser uma ameaça real, sendo necessário não relaxar neste período que é fundamental no combate à disseminação do vírus na sociedade”. A comissão relembra igualmente que “por todo o mundo têm surgido sinais preocupantes relativamente à existência de novas vagas de infeção, pelo que todo o cuidado é pouco neste momento”.
Face ao exposto, a CMPCS aproveita para informar que é fundamental continuar a respeitar as medidas decretadas pelas autoridades para conter a pandemia, designadamente, distanciamento social; lavagem frequente das mãos; uso obrigatório de máscara e cumprir a etiqueta respiratória.
A terminar, esta entidade diz acreditar no “bom senso de toda a população e na necessidade de se trabalhar em conjunto para combater esta pandemia”.

Partilhar: