SERTÃ/Covid-19: Reinventar atividades para manter a chama viva

A expetativa nos tempos futuros é grande. A Câmara Municipal da Sertã está atenta e ao lado dos agentes culturais do concelho. Mostrando-se otimista, tem eventos montados para colocar no terreno assim que for possível.

SERTÃ/Covid-19: Reinventar atividades para manter a chama viva

A cultura tem sido fortemente atingida pela pandemia da Covid-19. No concelho da Sertã, a câmara municipal tem procurado estar ao lado dos agentes culturais, mitigando os efeitos desta crise e analisando soluções diferentes para fazer chegar a cultura às pessoas. Em conversa ao programa da Rádio Condestável “Todos juntos no combate à pandemia”, António José Simões, responsável por esta área na autarquia sertaginense, confirma que o “Município da Sertã tem monitorizado, com grande rigor, tudo aquilo que tem sucedido com muitos dos agentes culturais do nosso concelho, procurando estar ao seu lado neste momento tão difícil” e acrescenta que “temos mantido um diálogo constante com a maioria, tentando sinalizar as dificuldades e, na medida do possível, encontrar as melhores soluções, dentro daquilo que são as evidentes limitações que existem”.
As restrições impostas pela pandemia obrigaram ao cancelamento de praticamente todos os eventos culturais mas o Município sertaginense foi “praticamente pioneiro”, através das plataformas digitais, “a levar a efeito uma série de eventos, que contribuíram para manter ativos muitos dos nossos artistas”, recorda este responsável, lembrando, a título de exemplo, “as comemorações do 25 de abril de 2020 onde, em pleno período de confinamento e com praticamente todo o mundo paralisado, organizámos um espetáculo só com músicos do concelho, a interpretarem grandes clássicos da música portuguesa. O concerto foi transmitido a partir da Casa da Cultura, sem público, através da página de Internet do Município da Sertã”. António José Simões destaca ainda o concerto “do ‘nosso’ pianista Marco Figueiredo, durante o mês de julho, a propósito da inauguração do projeto «Véu», ou o conjunto de atividades culturais (teatro e música), que no último Natal levámos até aos mais jovens e a todos os idosos do concelho, também através de espetáculos transmitidos pela Internet”. Ainda sobre este aspeto, lembra o “impacto positivo que, nos meses de verão, a iniciativa Sunsert teve no contexto local, não apenas pela forma como foi possível garantir todas as condições de segurança em espetáculos musicais ao ar livre, mas sobretudo porque muitos desses concertos foram verdadeiros balões de oxigénio para muitos dos nossos artistas”.

No que respeita à Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes, a estratégia montada “procura complementar tudo aquilo que vinha sendo feito ao longo dos anos mais recentes. Logo que foi possível, reabrimos a biblioteca e conseguimos ter em funcionamento um serviço que é fundamental para os nossos cidadãos”, diz, reforçando que “a biblioteca é uma casa onde todos se sentem bem e onde se respira cultura”. Além disso, “têm sido desenvolvidas diversas iniciativas pela biblioteca, através das redes sociais, como foi o caso do recente «Abraços de Leitura» e da «Mini-Maratona de Leitura»”, lembra, sublinhando “o regresso à atividade da Biblioandante – Biblioteca Itinerante da Sertã e que, cumprindo todas as normas de segurança e etiqueta sanitária, volta a levar a cultura até às nossas aldeias, num serviço absolutamente diferenciador”. Nesta fase, este serviço ajudará também no processo dos Censos 2021.
A Maratona de Leitura – 24 horas a ler é um dos cartões culturais do concelho. Adiada em 2020, mantém-se a esperança de que “consigamos, este ano, realizar a maratona de leitura nos moldes habituais se não, tão aproximado quanto possível”. Sem levantar o véu, garante que “o evento está montado e todos os profissionais estão empenhadíssimos para que ele aconteça”.
Os eventos online vieram aquietar a falta do presencial. Este responsável concorda que “as duas áreas não são compatíveis e comparáveis”. Aconteceram porque “não podemos viver num apagão e temos que ir mitigando o que nos está a acontecer”, diz, esperando que “isto passe e que não volte a acontecer” até porque “ao vivo, sente-se, toca-se, existe o cheiro ou o calor humano e tudo isso é insubstituível”, ilustra.

A EN2 é um dos projetos em que o Município da Sertã tem estado envolvido desde o início. A Rota da EN2, alcançou resultados significativos e, neste contexto de pandemia, esse é “claramente um bom indicador para o futuro”, explica António José Simões, igualmente responsável pela dinamização da EN2, reforçando que “os resultados obtidos pela Rota da EN2, durante o ano passado, são um indicador positivo” e recordando “as 50 mil pessoas que passaram pelo concelho da Sertã entre janeiro e outubro de 2020 e que estavam a percorrer a EN2”, um “afluxo económico e turístico muito significativo e que tem condições para crescer nos próximos anos”, remata.
A terminar, foca a sua mensagem no programa “Todos juntos no combate à pandemia”, para dizer que “resultou de uma feliz colaboração entre o Município da Sertã e a Rádio Condestável e que diz tudo, ou seja, todos somos convocados para esta luta e todos temos de fazer a nossa parte, seja pela atividade que desempenhamos ou apenas enquanto cidadãos que têm de cumprir as medidas estabelecidas. É uma luta de todos e onde todos podemos fazer a diferença”.
De recordar que o programa “Todos juntos no combate à pandemia” conta com o apoio do Município da Sertã”.

Artigos Relacionados

Partilhar: